Quando compartilhados desde o processo seletivo, os princípios (Missão, Visão e Valores) esclarecem ao colaborador parte da cultura da empresa. Para ser vivenciado no dia a dia é necessário reforçar a missão, visão e valores tanto pelos colegas e liderança quanto por práticas internas, fortalecendo a cultura.


Melhores práticas identificadas

  • Discurso alinhado às diretrizes com constante reforço do MVV (Missão, Visão e Valores)

Liderança como porta voz para disseminar os valores e fortalecer a cultura.

"Esse é um dos principais motivos que me deixa feliz de estar aqui. É muito bom ver que os exemplos vêm principalmente das lideranças e como isto é fundamental para que TODOS tenham a certeza que missão, visão e valores não são meras palavras coladas numa parede para passar a impressão de "empresa cool"."

"Temos líderes que buscam aguçar o melhor de seus agentes em participar de maneira livre, porém engajada nas trilhas que estão formando a missão da organização. Seus valores são totalmente direcionado a favor do propósito (visão). Sigo na crença...."

"Os princípios são o ponto mais forte da [Empresa] e é lembrado constantemente pela Liderança."



  • Os princípios (missão, visão e valores) da empresa devem ser compartilhados no processo seletivo e coerentes com a realidade

A construção e manutenção da cultura da empresa é vivenciada em todos os contatos, desde o processo seletivo até o colaborador entrar na empresa. Isso é essencial para uma cultura forte.

"não lembro de termos falado sobre valores no meu processo seletivo"

"Os princípios compartilhados durante o processo seletivo são muito diferentes do cenário real da empresa, iniciando pela liderança."

"Sim! Desde o meu processo seletivos os pilares da [Empresa] ficaram totalmente claros, transparentes e se mantém até hoje :)"

"Na minha percepção é informado no momento da seleção e integração uma informação mas na prática é outra, as áreas ainda não estão acostumadas a receber e direcionar as novas pessoas."

"Sim, porém não são só similares como também é muito claro!

A empresa trabalha com transparência e isso é percebido nas reuniões internas entre lideres e liderados, assim como nas reuniões."


  • Princípios compartilhados no discurso também serem praticados no dia a dia

Acompanhamento dos novos colaboradores para mostrar a cultura na prática (buddy). Divulgar a cultura por meio de reuniões gerais e encontros entre colaboradores.

“São sim, mas já ouvi muitos feedbacks de que o onboarding da [Empresa] precisa melhorar. Vejo que as pessoas passam pela apresentação do RH e são “jogadas” ao time, que nem sempre pode parar para ajudá-la e pegá-la na mão. Quando alguém entra o ideal é que um membro do time seja seu “tutor” fique colado nela para ajudar o máximo que puder, leve ela para almoçar, para ficar junta na rotina, ter treinamentos intensos e etc. Criar esse programa de “tutores” seria muito positivo, igual acolher calouros na faculdade, passar todas os macetes e ajudar a pessoa [pegar o ritmo] muito rápido, o que para a empresa é positivo, pois a nova pessoa já vai estar trabalhando em pouco tempo.”

"A empresa mudou bastante (o negócio cresceu) e tive a percepção de que nossos webinar que divulgavam muito isso diminuíram consideravelmente..."

"Para mim são evidentes os valores da empresa aplicados na rotina."



Sentimentos identificados


A cultura pode se perder com o crescimento da empresa e se alterar ao longo do tempo

“Sim, porém com o crescimento acelerado da [área], me surge um medo da cultura se perder, e pessoas novas vindas de empresas onde a burocracia é normal, acabam trazendo isso para nós e mudando um pouco dos princípios da [Empresa]. Isso precisa ser levado com muito cuidado pois acho que a identidade da [Empresa] é ter essa cultura ótima e isso precisa ser disseminado pras novas pessoas de forma com que elas consigam entender e pratiquem também.”

“Caraca... é surreal! A [Empresa] tem crescido tanto e mesmo com esse crescimento ninguém deixou a peteca cair sabe? O que acontece em muitas startups após crescerem rapidamente é justamente perder o foco principal e aqui temos conseguido manter nossa qualidade.”


Perda de alguns valores com o distanciamento do trabalho remoto

“Missão, visão e valores, acredito que sim, ainda são similares no meu entendimento. Porém, apesar de amar o [home office], sinto muito diferença na nossa cultura, do início da pandemia até agora. Talvez eu queira voltar pra Sede, só pra “sentir” nossa cultura novamente.”

“Um pouco tem se perdido por conta do HOME OFFICE, mas sigo fazendo a minha parte para manter os valores da empresa em dia. Esses valores só funcionam se todos se comprometerem a adotá-los. Com o home office, muita gente tem se sentido a vontade para mostrar outros lados ou abandonar parte dos valores.”